UncategorizedA Pacificação como processo de Evolução, por Cristina Candeias

Qual a chave? qual o processo? que nos permite pacificar perante um drama,  obstáculo, insatisfação, doença, relacionamentos destruídos, divórcios, ausência  de amor, desencontros afetivos. 

Quando não encontramos um sentido de vida, porque apenas limitamos a  nossa vida ao Hoje, e pelo nosso comportamento de hoje achamos obviamente  que não somos merecedores de determinados acontecimentos, quando tudo  está a ruir a nossa volta. 

Quando as nossas estruturas de segurança são abaladas, cada vez que no  universo de movem de forma dissonante (movimentação dos planetas que vão  ativar determinados bloqueios que resultam em acontecimentos nefastos). Contudo os acontecimentos de hoje nomeadamente os de dor, podem no futuro  serem portadores de sabedoria no sentido de  

autoconhecimento/desenvolvimento pessoal. 

Todas as crises pessoais acontecem sempre que surge uma contrariedade em  relação aos nossos desejos /ego. Todavia as crises pessoais são portadoras de  autoanálise/introspeção no sentido o ser humano avaliar o seu percurso  pessoal fazendo correções, anulando aspetos (arrogância e prepotência)  nefastos ao seu desenvolvimento, no sentido de melhorar o seu nível de  desempenho social, profissional, cultural, emocional, relacional. 

Um dos grandes problemas do ser humano surge precisamente quando a vida  não se manifesta como ele deseja. 

Nunca ninguém se poe em causa quando está a ganhar, quando a vida acontece  de acordo com os seus desejos. 

O homem tem a tendência nata de achar que tem sempre direito a tudo que é  bom, ou lhe confere prazer. 

Nada acontece por acaso e é muito curioso que o ser humano não se questione  quando tudo ocorre de acorde com a sua vontade e desejo nas mais variadas  formas e áreas de vida lar, família, profissão enfim em todas as áreas ao qual dá  mais importância. 

Contudo o universo é constituído por polaridades, assim como existe a noite, 

existe o dia e nesta grande roda da vida temos que experienciar todo o tipo de  acontecimentos. 

“Existe um tempo para todas as coisas, e um tempo para todos os desígnios  debaixo dos céus” – Eclesiastes. 

Não é por acaso que as pessoas em momentos de crise poe tudo em causa,  porque deixaram de controlar a vida, só que a vida não se controla. É muito comum eu ouvir “ a minha vida muda de sete em sete anos “  precisamente porque Saturno, Úrano e Neptuno têm ciclos de sete anos, daí  existir sempre uma crise de valores , de escolhas, uma mudança, um reavaliar  de vida, a maioria das vezes forçada porque ninguém está preparado para  mudar o certo pelo incerto, e a própria mudança pelo desconhecido gera  sempre grande insegurança. 

Se tentarmos aceitar que tudo na vida nos pertence, o bom e o mau, que os  acontecimentos versus aspetos positivos e negativos no nosso mapa astral  correspondem a um grande jogo de xadrez cósmico, onde temos que jogar quer  com a nossa herança genética, quer com o nosso livre arbítrio, vamos perceber e  entender o porquê das grandes diferenças sociais, onde uns parecem tão  bafejados pela “sorte” familiar, profissional, espiritual, material e mesmo sexual  e outros ao que parece têm que subir ingremes montanhas para encontrar a luz  do seu caminho. 

Acredito que este motivo se deve ao nosso karma positivo e negativos que  herdamos quando efetuamos o primeiro processo de troca com o universo. Para os mais céticos eu costumo perguntar: 

– Por acaso conseguem ver o vento? 

– Claro que não! 

– Mas sentem-no, nos seus rostos e conseguem visualizar o seu movimento. O universo é assim composto por inúmeras energias, umas mais subtis que as  outras, umas visíveis, outras não, mas existem e deixam a sua marca na vida de  todos nós. 

Então o que temos que fazer, para descodificar esses jogos de energia que  atraímos para a nossa vida? 

Conhecer o nosso propósito de vida, a nossa evolução, o nosso caminho, é a  forma mais sábia de evoluirmos e transcendermos o nosso karma.

 

Contato Cristina Candeias:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Redes Sociais